A colombiana Marcela Loaiza conseguiu fugir e se converteu em uma ativista internacional contra o tráfico humano.

Japão- O país asiático é destino de dezenas de jovens latino-americanas e brasileiras que são enganadas por traficantes sexuais sob a promessa de carreiras como “modelo” ou “bailarina”. Os relatos evidenciam maus-tratos, abusos sexuais e muita dificuldade em voltar à vida como ela era antes.

Continua depois da publicidade

Uma delas, Marcela Loaiza, jovem que, assim como outras mulheres latino-americanas – inclusive brasileiras -, foi sexualmente explorada no Japão por uma rede de criminosos que engana as jovens prometendo a elas carreiras bem-sucedidas como modelos ou bailarinas no país asiático.

Quando chegou ao Japão e recebeu ordem para se prostituir, Marcela tentou explicar que havia alguma confusão e que chamaria a polícia, mas ouviu: “Pode chamar, mas não garantimos que você vai chegar a tempo para o enterro da sua filha”.

Nem ela nem suas colegas faziam ideia de que seriam parte de uma grande rede de tráfico internacional de pessoas.
As mulheres eram obrigadas a entregar o dinheiro que recebiam dos clientes. “Eles sempre pagavam no hotel ou no local onde nos levavam, mas às vezes nos davam gorjetas e até isso (os cafetões) tiravam de nós.”

Continua depois da publicidade

Ela tinha uma cota a cumprir. Ali começou uma lei: ‘aquela que descobrirmos que esconde dinheiro terá seus genitais queimados’. Eu não passei por isso, mas assisti. Nunca me atrevi (a esconder dinheiro) porque tinha muito medo.”

Um tempo depois, com a ajuda de um cliente e uma das companheiras, Marcela conseguiu fugir e se converteu em uma ativista internacional contra o tráfico humano.
A ativista japonesa de direitos humanos Shihoko Fujiwara é fundadora da Lighthouse, ONG que combate o tráfico de pessoas no Japão desde 2004 e explica que, quando a economia japonesa passou por um boom, na década de 1970, “os homens japoneses começaram a viajar ao exterior para comprar serviços sexuais de mulheres”.

E, ao final dos anos 1990 e na década seguinte, “vimos chegarem várias mulheres da Colômbia e de outras partes da América Latina”, disse. Com informações da BBC News.

VER PRIMEIRO

Receba as notícias em primeira mão. Clique em curtir no endereço https://www.facebook.com/mantenanews/

Participe de nossos grupos de whatsApp basta clicar e entrar: https://chat.whatsapp.com/GjKm1m3YgecJuIpByKEYvU

Participe do nosso site e seja um colaborador enviando noticias e fotos para o WhatsApp:

Clique neste link para me enviar mensagens no WhatsApp: https://wa.me/553399856524

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here